Viagens Internacionais

Ouro na Junio Masculino

Ouro na Junio Masculino

Olá amigos,

Viajar é muito bom, e esse é um dos pontos legais que o esporte proporciona, temos a oportunidade de conhecer novos lugares, quando comecei a competir em 93, minha primeira viagem para para fora da minha região foi para o Estado do Rio de Janeiro, foi inesquecível, umas das imagens que tenho bem guardada foi a travessia da ponte Rio-Niterói, na sequência segui competindo e conhecendo novos estados brasileiros. Bom logo também tive a oportunidade de viajar para fora do país, e em 1995 fiz duas viagens internaionais, muito marcantes na minha vida, uma para o Santiago no Chile no mês de Agosto e na sequência para a Alemanha em Setembro. A maioria das minhas viagens internacionais representando o Brasil aconteceram após eu ter passado para categoria Elite, mas na Categoria Junior e Sub-23 pude ter boas experiência e também uma base para para as competições internacionais na categoria Elite onde conquistei duas medalhas de Prata em Jogos Sul-americanos, uma de Prata em Jogos Pan-americanos, uma de Prata e uma de Bronze em Campeonatos Pan-americanos na modalidade Cross Country. Aqui vou compartilhar um pouco destas viagens internacionais para competir nas categorias de base.

 

1995 – Primeira viagem: Santiago/Chile

 

Esta viagem marcou minha história, além de ser a primeira vez que fui para fora do país, ainda pude trazer na bagagem uma medalha de Ouro, a primeira medalha de Ouro do Brasil em um Campeonato Pan-americana na categoria Junior. Foi em Agosto e estava muito frio, a pista tinha muitas subidas e as descidas eram técnicas e cheia de pedras, o local da competição foi o Sierro São Cristobal no Centro da cidade, na parte alta da pista tinha uma vista muito legal da famosa Cordilheira do Andes. Na largada da prova eu estava muito ansioso mas logo que largou consegui me colocar entre os primeiros e lembro que andei muito com um Argentino se revezando na ponta, do meio para o final da prova consegui assumir a liderança e mantive até receber a bandeirada, e ali foi um marco, pois aquele foi o primeiro Pan-americano da modalidade.

 

1995-Segunda viagem: Kirchzarten/Alemanha

 

Muito frio, pista longa e enlameada, raízes, trilhas técnicas em floresta fechada, mais de 150 atletas alinhados na categoria Junior e eu estava lá no meio do pelotão na oitava fila, logo na largada aquele bolo de gente e aquela adrenalina, logo vieram as subidas e não dava nem para ouvir a própria respiração, pois tinha muita gente na pista e muita gente torcendo, gritando e dando aquele força para os competidores, eu nem sabia em que colocação eu estava na prova, mas na segunda volta eu estava entre os dez primeiros e andando perto de atletas como Cadel Evans (Aus), José Antônio Hermida (ESP), eram 5 voltas de 8 km ( prova longa para Junior) e até terceira volta eu estava em oitavo lugar, na quarta volta comecei a sentir o desgaste e perdi umas cinco posições, depois deu o “prego” mesmo e terminei a prova me arrastando na 86º posição, lembro que o primeiro colocado terminou a prova com 2 horas e 25 minutos e eu cheguei uns 20 minutos atrás, depois a própria organização alegou ter ultrapassado o tempo de prova. Mas aquela foi uma grande experiência, naquele dia eu estava tão ansioso que não consegui tomar o café da manhã direito e nem me alimentei bem durante a prova o resultado não poderia ser outro, mas sai dali sabendo que poderia chegar bem se me preparasse melhor. Foi uma viagem muito boa, conhecer um lugar como Alemanha, com uma cultura tão diferente, também enriqueceu mais ainda a minha experiência.

 

1996-Terceira viagem: Cairns/Austrália

 

Mais de 20 horas de vôo, São Paulo-Argentina/Argentina-Nova Zelândia/Nova Zelândia-Sidney/Sidney-Cairns, úfa!!! Mas chegar na Austrália é ,o país é muito bonito tem muita atração, a cidade de Cairns que fica na parte norte do país, tive oportunidade de fazer um passeio de barco e mergulhar numa Ilha, o fundo do mar é bem colorido, e tem uma variedade muito grande de peixes, e algas, no meio da ilha ainda tinha um Mini-Zoológico, com crocodilo e tudo! Mas o passeio foi só depois da corrida, a competição da categoria Junior geralmente acontece na Sexta-feira e dá para curtir um pouco da viagem depois da prova, antes eu estava muito concentrado, o que eu tinha como eu tinha andado bem no ano anterior tinha ficado na cabeça e eu poderia fazer uma grande corrida. No dia da competição estava eu na quarta fila, e sabia que a estimativa de tempo de prova era em torno de 2 horas, eu tinha me preparado melhor e fiz tudo certo para a prova, logo após a largada fui no meio do pelotão até a primeira subida longa do percurso, e aí comecei a fazer uma prova de recuperação, aos poucos fui ganhando posições e no final consegui terminar na 11º colocação, o Espanhol José Antônio Hermida foi o campeão, e vi que podia evoluir ainda mais para os próximos anos, e no ano seguinte eu seria Sub 23 e sabia que o desafio seria maior. Em 1997 estava eu alinhado no Campeonato Mundial na Suíça, mas vou deixar para contar sobre minhas experiências na Sub 23 na próxima edição, se Deus quiser!

Um grande abraço e boas pedaladas!

 

- Viagens Internacionais parte II


 

Uma resposta a Viagens Internacionais

  1. Pingback: Edivando de Souza Cruz» Blog Archive » Viagens Internacionais

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>